5827813.3a81a9f.93b0415d0c1e41d8b1d22da355145332

SEU CACHORRO VAI SER OPERADO? VEJA 3 FATORES IMPORTANTES

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this pagePin on PinterestShare on LinkedInShare on Google+

Seu cachorro vai ser operado? Saiba como lidar com esse momento de forma tranquila!

Um dos maiores medos que os tutores de cães têm, e também de gatos, é o medo da cirurgia e da anestesia no seu animal. Veja algumas dicas para não entrar em pânico ao saber que seu cachorro vai ser operado.

Ao se encontrar nesse cenário, é comum surgirem dúvidas como:

  • Anestesia em cães é seguro?
  • Quais são os riscos para o meu cachorro em uma cirurgia?
  • Existe alguma chance do eu cachorro falecer durante a anestesia?

Bem, como é possível notar, a maioria das perguntas em relação a cirurgia e a anestesia em cães está relacionada ao risco que ela pode proporcionar. Mas afinal de contas, qual é o risco da cirurgia ou anestesia em cães?

A única resposta possível é: DEPENDE.

São muitos fatores envolvidos, mas você vai encontrar os principais a seguir:

 

Em relação ao paciente.

O estado de saúde do animal antes da realização da cirurgia. Como ele está? Está super bem pois é uma cirurgia eletiva, como uma castração de cadela por exemplo?

Ou está bem debilitado, pois trata-se de uma piometra (infecção uterina) grave? Percebe-se que o procedimento cirúrgico nos dois casos, será para a remoção do útero e ovários, mas no primeiro caso, tanto o paciente, quanto o útero quanto os ovários, estão normais. Logo, os riscos para este paciente são bem menores.

No caso da piometra, a paciente já está debilitada e o útero dela está bastante infeccionado. Consequentemente, está alterado, tanto de tamanho, quanto de fragilidade… então neste caso, o risco cirúrgico é maior.

 

Em relação aos médicos veterinários que irão operar e anestesiar.

Utilizando o mesmo exemplo acima.

A cadela que está sendo operada para ser castrada, não necessita de cuidados intensivos, como a cadela que está com a infecção uterina, mas não quer dizer, que ela não precise ser anestesiada e monitorada de maneira correta.

A presença de um médico veterinário anestesista é indicada nos dois casos, pois ele é o veterinário capacitado para realizar este procedimento da melhor forma possível. Dando ao paciente uma anestesia na qual ele não sinta dor e ao mesmo tempo, sendo monitorado para se evitar, ou melhor, anteceder qualquer alteração que possa vir a ocorrer.

Se este paciente que está sendo operado e anestesiado não está sendo monitorado, como o médico veterinário vai saber que ele está com dor durante o procedimento cirúrgico? Se o cachorro vai ser operado não queremos que ele sinta nenhuma dor! Então… isso não deve acontecer. Por isso a extrema importância da presença de um anestesista com os aparelhos de monitoração para realizar este procedimento da melhor forma possível e com isso, diminuir os riscos na anestesia.

Da mesma forma, que um cirurgião veterinário competente também deve estar presente. Este deve ter habilidade e conhecimento para a realização da cirurgia e também dos cuidados de higiene (antissepsia), esterilização de equipamentos cirúrgicos e todo o material necessário para a realização de um procedimento com o mínimo de contaminação possível. Estes casos ajudam a diminuir os riscos durante e após o procedimento operatório.

 

Em relação ao local onde será operado.

Neste local que o cachorro vai ser operado, tem o mínimo de estrutura para dar um suporte ao paciente após a cirurgia? Caso ele precise ficar internado… tem plantonista veterinário para ficar com ele a noite? É 24 horas? Ou será encaminhado após a cirurgia para uma outra clínica que tenha este suporte?

No exemplo acima, da castração e da piometra, no primeiro caso, o paciente até pode ir para a casa após a cirurgia. Na grande maioria das vezes, não haverá necessidade de deixar o animal internado. Agora, já no caso da piometra, há indicação de que o paciente fique pelo menos (no mínimo) 24 horas internado, com o devido acompanhamento e medicações específicas. Estes cuidados também ajudam e muito a diminuir os riscos pós-cirúrgicos imediatos.

Portanto, se pode ver, são vários motivos que podem aumentar ou diminuir os riscos de uma cirurgia ou de um procedimento anestésico. Mas os riscos sempre vão existir em qualquer tipo de procedimento onde envolva anestesia geral, anestesia local (peridurais, por exemplo) e até mesmo em casos de sedação.

 

Concluindo, além de todos esses cuidados, não se esqueça de dar bastante apoio para o seu animal. Seja enchendo ele de brinquedos para cachorro ou carinho, seu cachorro vai precisar de você!

 

Sempre procure bons profissionais veterinários caso você precise operar o seu melhor amigo!

 

Texto: Dr. Alexandre Figueiredo criador do Blog Dicas boas pra Cachorro

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this pagePin on PinterestShare on LinkedInShare on Google+

Comentários

SE VOCÊ CURTIU ESSE POST, INSCREVA-SE E SAIBA MUITO MAIS.

Promoções, dicas de nutrição, lugares, comportamento e mais, direto na sua caixa de e-mail.