Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this pagePin on PinterestShare on LinkedInShare on Google+

Mell Dilor conta um pouco mais sobre a profissão inventada por ela (e desejada por muitos).

O Zee.Daily convidou a Mell para explicar como nasceu a ideia da profissão Personal Trainer de Cachorros. Veja que legal o relato dela.

___

Cara, minha mãe tinha tanta certeza, mas tanta certeza que eu ia ser louca por cachorros, que até o nome de um ela me deu. Valeu manhê, tirou onda.

Prazer, sou a Mell. Personal Trainer de Cachorros, seja lá o que isso significa.

Descobri, aliás, inventei, essa profissão no dia que ensinei meu cachorro a me acompanhar enquanto eu andava de skate. Nada fazia o Pep (Pepperoni para os íntimos) mais feliz do que uma boa dose de cansaço na praia. Achava iradíssimo aqueles buldogues andando em cima do skate (o Pep não é um Buldogue, é um Schnauzer, mas vai que…. né?).

Enfim.. Solzão, praia da Barra, eu, Pepperoni e meu skatinho véio. Subi no shape, dei um comando para ele ficar atento e na esperança de sair surfando pelo asfalto, começamos a empreitada juntos. Tudo corria bem, as pessoas ao redor achavam fofinho, meus cabelos loiros ao vento, no bom estilo carioca sedutor de ser, aquela brisa batendo e nós dois plenos por estarmos dividindo amores: eu pelo skate e por cachorros, e ele por finalmente poder correr mais do que a coleira limitava.

Em determinado momento Pep avistou um pombo comendo migalhas -de onde saíram aquelas migalhas?- e decidiu correr em direção a calçada de pedras portuguesas e (que ódio daquelas pedras portuguesas) catabouftichm, tomei o maior pacote da minha vida. Cabelo prum lado, skate pro outro, Pep puxando a coleira da minha mão, a blusa subia (para meu desespero), a areia ventava na minha cara e por fim, juntava um bocado de gente em volta da dupla acidentada.

Pep cheio de pelos e em 4 apoios, saiu ileso. Eu, em dois apoios, com fone de ouvido, óculos escuros (claro, estava fazendo o estilão carioca, lembra?) sai parecendo um bife sangrento. Triste. Mas a carinha de felicidade dele (que parecia estar rindo da minha carinha de sofrimento) valia todo o esforço de tentar novamente!

Entendi que antes de subir no skate eu precisava determinar o ritmo que ele andaria ao meu lado, e comandos eram necessários o tempo todo, tanto de elogio quanto de correção. Isso evitaria distrações indesejadas (leia-se pombos). Tentamos muitas e muitas vezes. Ok, talvez nem tantas assim, Pep é esperto, respeita meu cachorro.

Contei pra todo mundo o que eu tinha ensinado pra ele. Na semana seguinte estava determinada a ensinar o filhote a perder o medo do mar. Na outra, a orientá-lo a acompanhar a bicicleta da minha mãe, SEM CORRER ATRÁS DOS BENDITOS POMBOS, claro.

Percebi que tinha uma infinidade de coisas legais para o Pep aprender além de sentar, dar a patinha e fazer o pipi no lugar certo. Fala sério,cachorros são muito mais legais do que isso!

Hoje dedico minha vida a ajudar os donos a fazerem coisas super legais com seus dogs. Me dedico a ajudar cachorros que acumulam energia e ansiedade dentro de apartamentos e me autodenominei Personal Trainer de Cachorros.

Legal né?! Também acho 🙂

Vivo arranhada, roxa, babada, e lotada de pêlos.

Mas nada – NADA- supera o brilho no olhar e a carinha de gratidão que esses bichinhos fazem quando estão felizes.

E muito, muito cansados.


Por
Mell Dilor (personal trainer de cachorros e inimiga nº1 das migalhas para pombos).

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this pagePin on PinterestShare on LinkedInShare on Google+

DOG LOVERS: PERSONAL TRAINER DE CACHORROS

Category: COISAS LEGAIS
0
2971 views

Comentários

SE VOCÊ CURTIU ESSE POST, INSCREVA-SE E SAIBA MUITO MAIS.

Promoções, dicas de nutrição, lugares, comportamento e mais, direto na sua caixa de e-mail.

150807_blog_us_page_1

HEY, VOCÊ!

VENHA FAZER PARTE DA FAMÍLIA ZEE!